A Challenging return to school (October 2020)


Students in state schools went back to school in September 2020, facing a new reality that involves social distancing, mask wearing and a plethora of other safety procedures related to Covid-19. Whilst everyone has been focusing on adapting to all the changes, there are other issues that have developed and need addressing. As these problems don’t affect everyone, they don’t get the same coverage on social media and those affected can sometimes struggle.


The effects of the pandemic


Covid-19 has had a serious knock-on effect on education in many ways. Not only did students have to adapt to distance learning for the last four months of the 2019/20 academic year, but this new study modality was not as effective as it needed to be. Quality teaching didn’t really take place in most cases via the various online platforms and students found that momentum was lost. In fairness, most teachers did their best but, the exceptional circumstances they found themselves in meant that their best wasn’t always enough. Topics dragged on for much longer than they should have and as a result, in most cases, the curriculum wasn’t covered. Therefore, in the majority of schools, the month of September 2020 was spent going over the content not covered in last year’s manuals and playing the game of ‘catch-up’.


Another issue that has arisen as a result of the New CoronaVirus is that there is now a shortage of teachers in certain areas of the country. The Algarve seems to have been particularly affected by this with a notable shortage of Maths teachers. There are a lot of teachers and support staff filing for ‘baixa’ (sickness absence) and there are simply not enough in the teaching bank to go around. It is believed that this occurrence is due to fear of contagion but, this is of course not something we can confirm for sure. However, as a result, there are still students, in mid-October, without a Maths teacher.


A frustrating time for all


As a teacher who has many colleagues within the teaching community, I share the frustrations from the teacher’s perspective. We are doing the best we can in exceptional circumstances and a lot of the time, with limited resources. On the other hand, I also share the frustrations as a parent who has had to adapt their timetable to accommodate the new one that the school has devised. I don’t entirely agree with the logic behind some of the decisions made in relation to the way the school is run and organised in light of our current situation. However, I have decided to focus my efforts on turning the negatives into positives and finding solutions, without focusing too much on the problems.


How can we help?


This is where our language school and tutoring centre in Tunes comes into play. At Atena, we provide the solution to some of these problems. We offer a professional tutoring service that focuses on targeting the issues mentioned above and working on bridging the gaps. We only work with qualified professionals in each subject area, to ensure that the students are receiving the best possible support. Our teachers are very experienced and know their stuff! Right from their first session, students report back to parents on how much better they feel about their learning and within just a few sessions, they comment on how much more confident they are in school as a result. It is lovely to see our students coming to us with such a positive attitude and feeling the benefit of the service we offer. Equally, parents are also feeling very thankful for what we do, and we really appreciate all the positive feedback we have received from them.


Whilst we are not able to fix the logistical problems in the schools themselves, we can at least put a plan of action in place for the students to move forward, despite the setbacks. So, if your child is experiencing any difficulties in any subject area, why not contact us and see what we can do to help? Don’t suffer in silence or struggle to provide the support yourself, let the professionals take the burden from you and see how your child will soon bounce back and soar. You will wonder why you didn’t do it before!


Back to top

The importance of Languages in the Algarve (September 2020)


In the multicultural world we live in, having a ‘lingua franca’ is imperative so that we can all communicate – no matter where we are and whom we are speaking to. As time has progressed, English seems to have become the preferred ‘common language’ between different nationalities worldwide. Since the turn of the century, this has become evident in Portugal and in particular, in the Algarve. As a nation, we’ve had to adapt to this new phenomenon in order to be able to function as a country. English has not only become a compulsory subject taught in state schools, it is also the chosen language for many courses in colleges and universities up and down the country. Businesses now have their literature, websites, phone lines and other promotional material available in English, with many only employing people who can in fact communicate in this common language.

 

A time for evolving and adapting

 

In Portugal, we are very fortunate to have certain systems in place that allow us the opportunity to learn English in a subconscious and natural way. One of the most common mediums is television. Quite a high percentage of the programmes aired on TV are in English with subtitles in Portuguese. This option is far more advantageous than dubbing as we are exposed to the spoken element of this language on a daily basis, whilst reading the translation in Portuguese. Granted, the subtitles are not always accurate but, they still offer a general gist most of the time and the viewer is able to associate words in English to their meaning in Portuguese. Similarly, in the late 90’s and early 00’s, many children’s channels aired cartoons in English which allowed that generation to get a head start when it came to learning this second language. Another very popular medium is the radio. A large percentage of the music played on radio stations is in English and most people end up learning vocabulary through repetition. Popular songs are played over and over every day and we end up memorising these and singing along to them whilst going about our day to day lives. This continued exposure, coupled with exposure to learning in schools and interacting with English speakers in everyday life, has resulted in a huge increase of bilingual citizens. Although many of these are not fluent, they are able to communicate to a standard that allows fluid interaction with people from all over the world.

 

How does this affect English speakers living in the Algarve?

 

As mentioned earlier, a high percentage of Portuguese people can already communicate in English to a reasonable standard. This is great for foreign nationals who live in Portugal as they don’t immediately have to learn to speak Portuguese. However, once settled in, many of these new residents want to learn this new language as they wish to feel more integrated into the community. Simple tasks such as taking care of your fiscal number at the Finanças, dealing with banks or calling your broadband operator can be challenging - unless you are lucky enough to have contact with an English-speaking person. Then there are the frustrations when it comes to pronunciation. Often, you will find that when you do attempt to speak to someone in Portuguese, at a shop or café for example, they will look perplexed as they don’t quite understand what you have just said. In these situations, the staff member in question will remedy this communication issue by speaking to you in English. Whether they do this through lack of patience, a genuine attempt to help or as a way of speeding up the process so that they can get about their daily tasks, this can be a source of frustration for the English speaker. These perfect opportunities to practise Portuguese are washed away and motivation starts to dwindle.

 

What is the solution?

 

The key is not to despair - there is always a way forward. Regardless of the level of Portuguese, as long as the individual in question is prepared to put in the time, they will be able to learn Portuguese as a foreign language. At Atena, we pride ourselves on our results, the methods we use and the satisfaction of our students. Courses are available for adults at all levels and are offered in two modalities – Conversational Portuguese’ which focuses on getting by on a day to day basis or, ‘Structured Portuguese’ which focuses on all areas (grammar, vocabulary, punctuation, pronunciation/speaking and reading). Learning a language should not be approached as a chore but instead, as a fun extra-curricular activity. Our lessons are informal and address all the key areas through fun and engaging activities. Students enjoy a variety of tasks in their lessons whilst learning essential grammar and vocabulary. Pronunciation is developed through roleplay and other speaking exercises and reading fluency is achieved through carefully selected reading activities with no two lessons being the same. General feedback tells us that our students not only look forward to their lessons, they also feel a sense of achievement after each one. A true testament to our hard work and dedication.

 

So, whether you are a beginner, intermediate or advanced student, why not get in contact with us and see how we can unlock your potential? We promise you won’t be disappointed!


Back to top

 

Um regresso às aulas desafiante (outubro 2020)


Os alunos das escolas públicas voltaram às aulas em setembro de 2020, enfrentando uma nova realidade que envolve distanciamento social, uso de máscaras e muitos outros procedimentos de segurança, relacionados com o Covid-19. Embora nos tenhamos focado na adaptação a todas estas alterações, existem outras questões que precisam ser abordadas. Mas, como estes problemas a que nos referimos não afetam toda a gente, não recebem tanta atenção nas redes sociais e as pessoas afetadas por vezes sofrem dificuldades.


Os efeitos da pandemia


A evolução do Covid-19 causou um impacto enorme no sistema educativo. A nova modalidade do ensino à distância foi introduzida no ano létivo 2019/20 e, apesar da adaptação dos alunos (na maioria) ter sido positiva, esta modalidade não produziu os resultados desejados. O ensino através das várias plataformas digitais não proporcionou um ensino de qualidade e alguns alunos perderam motivação. Para ser justo, na maioria dos casos, os professores deram o seu melhor. Mas, nas circunstâncias excepcionais em que se encontraram na altura, o seu melhor nem sempre foi o suficiente. A matéria arrastou-se por muito mais tempo do que devia o que resultou, na maioria dos casos, numa abordagem incompleta do currículo. Portanto, na maioria das escolas, o mês de setembro de 2020 foi dedicado à revisão de matéria, e rápida abordagem do conteúdo não estudado nos manuais do ano passado.


Outra questão que surgiu como resultado do Novo Coronavírus é a grande falta de professores em certas áreas do país. O Algarve parece ter sido particularmente afetado por este fenómeno, com uma notável falta de professores de matemática. Há muitos professores e auxiliares com baixa médica e simplesmente não há profissionais suficientes no banco de professores. Acredita-se que essa ocorrência se deva ao medo do contágio, mas obviamente, isso não é algo que possamos confirmar com certeza. Porém, como resultado, ainda há alunos, em meados de outubro, sem professor de matemática.


Um período frustrante para todos


Como professor com muitos colegas na comunidade educativa, compartilho as frustrações do ponto de vista do professor. Estamos a fazer o melhor que podemos em circunstâncias excepcionais e, em muitos casos, com recursos limitados. Por outro lado, também compartilho as frustrações dos encarregados de educação, que tiveram de adaptar os seus horários, para acomodar o novo horário da escola dos seus educandos. A verdade seja dita, não concordo inteiramente com a lógica de algumas das decisões tomadas em relação à forma como a escola é administrada e organizada devido à situação em que nos encontramos. No entanto, decidi focar-me em tornar os aspetos negativos em positivos e em encontrar soluções.


É aqui que a nossa escola de línguas e centro de explicações em Tunes entra em ação. Na Atena, temos a solução para alguns desses problemas. Oferecemos um serviço de explicações profissional que se preocupa em lidar com os problemas acima mencionados e trabalhar para preencher as lacunas. Trabalhamos apenas com profissionais qualificados em cada disciplina para garantir que os alunos recebam o melhor apoio possível. Os nossos professores são experientes no seu ramo e sabem o que fazem! Logo no fim da primeira aula, os alunos relatam aos pais o quanto se sentem melhor em relação à aprendizagem e, em apenas algumas sessões, comentam que estão mais confiantes na escola, devido às explicações que têm recebido na nossa escola. É gratificante ver nossos alunos comparecerem nas nossas aulas com uma atitude tão positiva e vê-los sentir benefícios do serviço que oferecemos. Da mesma forma, os pais também estão muito gratos pelo trabalho que fazemos e nós agradecemos todo o feedback positivo que temos recebido até à data.


Como podemos ajuar?


Embora não possamos resolver os problemas logísticos nas próprias escolas, podemos pelo menos colocar um plano em ação para que os alunos possam seguir em frente, apesar dos contratempos. Então, se o seu educando estiver com alguma dificuldade em qualquer disciplina, entre em contato conosco para ver o que podemos fazer para ajudar? Não sofra em silêncio, deixe que os profissionais tratam do assunto. Assim verá o seu educando não só recuperar, como ganhar confiança e começar a voar!


Voltar ao topo

A importância dos idiomas no Algarve (setembro 2020)


No mundo multicultural em que vivemos, ter uma 'língua franca' é imperativo para que todos possamos comunicar – não importa onde e com quem estejamos a falar. À medida que o tempo avançou, a língua inglesa parece ter-se tornado a "língua comum" preferida entre diversas nacionalidades pelo mundo fora. Desde o início deste século, isto tornou-se evidente em Portugal e em particular, no Algarve. A comunidade Portuguesa teve de se adaptar a este novo fenómeno para que o nosso país pudesse funcionar de uma forma eficiente. A língua inglesa não só se tornou uma disciplina obrigatória nas escolas públicas, como é também a língua escolhida para muitos cursos em colégios e universidades em todo o país. As empresas têm agora o seu material escrito, websites, linhas telefónicas e outro material promocional disponíveis em inglês, com muitos a dar emprego apenas a pessoas que sabem de facto comunicar nesta língua comum.

 

Um tempo para evoluir e adaptar

 

Em Portugal, temos muita sorte em ter determinados sistemas que nos permitem aprender inglês de forma subconsciente e natural. Um dos meios mais comuns é a televisão, uma percentagem bastante elevada dos programas que correm na televisão são em inglês com legendas em português. Esta opção é muito mais vantajosa do que a dobragem, uma vez que estamos expostos diariamente ao elemento falado desta língua, ao mesmo tempo que lemos a tradução em português. Apesar das legendas nem sempre estarem traduzidas corretamente, conseguem mesmo assim dar uma ideia geral do contexto e, o telespetador tem a oportunidade de associar palavras em inglês ao seu significado em português. Da mesma forma, no final dos anos 90 e início deste século, muitos canais infantis passavam desenhos animados em inglês, o que permitiu que essas gerações começassem a ganhar vantagem quando se trata de aprender esta segunda língua. Outro meio muito popular é a rádio, uma grande percentagem da música que passa nas estações de rádio é em inglês e a maioria das pessoas acaba por aprender vocabulário através da repetição. Músicas populares passam inúmeras vezes todos os dias e acabamos por decorá-las e cantá-las enquanto nos entretemos com as tarefas do dia-a-dia. Esta exposição contínua, em conjunto com a aprendizagem nas escolas e a interação com outras pessoas que falam inglês, resultou num grande aumento de cidadãos bilingues. Muitos destes podem não ser fluentes, no entanto conseguem comunicar e interagir de uma forma fluída com pessoas de toda a parte do mundo.

 

Então e aqueles que não falam inglês?

 

Como referimos anteriormente, uma alta percentagem de pessoas já consegue comunicar em inglês com um nível de fluência razoável, mas, ainda há muitas pessoas que não conseguem e isso tem um impacto negativo nas suas vidas no que diz respeito às oportunidades de emprego. Este é um problema em Portugal e, em particular, no Algarve. Por ser uma zona turística, muitas vezes, os residentes algarvios ficam excluídos de determinadas oportunidades de emprego ou, quando abordados por clientes internacionais no decorrer das suas funções profissionais, sentem-se limitados em termos de interação. Estas situações não são apenas frustrantes, mas também prejudiciais ao desenvolvimento da carreira. Depois temos aqueles que se desenrascam muito bem em inglês, mas que querem desenvolver os seus conhecimentos para que possam avançar na sua carreira ou interagir com mais confiança e profissionalismo quando em reuniões com clientes estrangeiros.

 

Qual é a solução?

 

A chave não é desesperar - há sempre uma solução. Independentemente do nível de inglês, desde que o indivíduo em questão esteja preparado a disponibilizar o tempo necessário, estes serão capazes de aprender inglês como uma língua estrangeira. Na Atena, orgulhamo-nos dos nossos resultados, dos métodos que utilizamos e da satisfação dos nossos alunos. Os nossos professores são qualificados nesta área específica e oferecem ensino de qualidade, utilizando materiais de Cambridge e Oxford. Os cursos estão disponíveis para crianças e adultos de todos os níveis. Aprender uma língua não deve ser abordado como uma tarefa, mas sim como uma atividade extra-curricular divertida. As nossas aulas são informais e abrangem todas as áreas chave através de aulas divertidas e interativas. Os estudantes desfrutam de uma variedade de atividades nas aulas enquanto aprendem gramática e vocabulário. A pronúncia é desenvolvida através de ‘roleplay’ e outros exercícios orais e a fluência da leitura é conseguida através de atividades de leitura cuidadosamente selecionadas. O feedback geral que recebemos é que os nossos estudantes não só gostam das aulas, como também se sentem realizados depois de cada uma delas. Um verdadeiro testemunho do nosso trabalho e dedicação.

 

Então, quer seja um estudante principiante, intermédio ou avançado, porque não entrar em contacto connosco e ver como podemos desenvolver o seu potencial? Prometemos que não ficará desapontado!


Voltar ao topo